do homem romântico que viu pássaros e morreu

Me fosse dado
ser pássaro
e voaria.
Teria por chão
o vento,
tomaria impulso
nuvem por nuvem
e jamais tocaria novamente esse solo.
Pudesse voar
e não estaria mais aqui,
e não teria mais saudade
e meu coração
pequeno e tão,
mas tão ocupado
não seria senão músculo
e não acomodaria senão o sangue de pulsar
por meu corpo miúdo de
pássaro só
e calado.
E de tão
passarinho
seria contente assim.
E de tão
voador
só pararia nunca
pra morrer
de cansaço
na Corticeira
na Aroeira
ou Jequitibá.
Então, de bem em cima
miraria o chão
em meu último suspiro
de bicho,
e um último pensamento
de vivo,
um miúdo, só e calado
pensamento de pássaro
passaria por mim
como vento,
e a seu gosto
eu voaria como Fernão.

Anúncios

PARASITAS!

Parasitas, de Marius von Mayenburg

Parasitas, de Marius von Mayenburg

haicai (in process)

ar duro e frio
quero outra janela
por que suspirar

vento gelado
preciso d’outra vista
para suspirar

instruções

tire minha camisa molhada. deve agora tirar minha camisa molhada e secar meu suor. e enquanto seca deve dizer palavras doces e me olhar com olhos agradáveis, que me tranquiliza. deve me tirar a roupa e secar meus braços, minhas pernas, meu tronco, meu sexo. deve secar meu rosto carinhosamente, como a mãe dum filme que vi há muito tempo, numa carícia contínua e interminável de mãe. deve sentir meu suor molhando suas mãos, e deve me abraçar e sentir que escorro pelo seu colo, pelve, pernas, pele. e então vem o momento em que me beija, o momento em que inegavelmente seus lábios tocam os meus e eu fecho os olhos e não sei se você os fecha também e só o que sei de você são seus lábios e sua língua e as minhas mãos nas suas costas; e seus dentes e seu nariz e cabelos. e então vai. deve ir embora. deixar-me para que eu possa acordar só, te procurar na cama, na sala, na geladeira e não te encontrar de jeito nenhum.

do amor

sou um homem doente da chaga mais cruel, mortal e mais completamente incurável; e desisto. quis que me amasse – e te amo -; quero agora odiar-te apenas  e o quanto antes. quero esmagar tua cabeça contra uma parede, ver sangue e lágrimas verterem desta face que tanto adoro; te matar e morrer depois, junto. devo torturar-te com as músicas mais tristes e minha cara de maior sofrimento, quando não de indiferença… tendo suado minha febre numa cama larga demais, tendo chorado meu amor num apartamento vazio, devo agora matar-te com minhas próprias mãos, com todo o carinho que te tenho. sou um criminoso passional, sou um assassino, um apaixonado, suicida, sou Romeu de punhal na mão.

me beija que eu me faço rompante, e te faço a mulher mais rompante do lugar*. me beija que eu te invado tão rápido e tão forte que te faltará até o ar de suspirar não vai e eu… não vai, fica comigo e eu te escrevo um poema pedindo pra que volte. e te levo pro alto, pro último andar do prédio mais alto da cidade mais cheia de prédios mais altos e te levo pro alto, pro terraço do prédio mais tão mais alto que os outros e. e entre sinalizadores e pára-raios, pernas, braços, bocas e olhos fechados… antenas. e nossa urgência transmitida via satélite pras televisões, pro tédio das salas, pras esposas sentadas, e me beija quando os raios começarem a raiar no céu fundo d’água e ainda mais forte me beija quando a chuva tocar primeiro nossa pele, pra depois molhar o resto do mundo.


* sim, isso parece com um texto do Michel Malamed no Regurgitofagia (pode-se ver aqui ó: http://www.michelmelamed.com.br/br/regurgitofagia/livro/?4).

.

trago o peito
opresso,
trago estrelas
nos olhos
, o corpo
cansado e
uma urgência
por sentar-me;

bato às portas
da cidade,
amor, não.
nem pressa
não trago.

mas um gole
de um café
amargo
e as costas
a doer-me

diz-se do homem, que busca felicidade, que age, por natureza, em busca do amor e do bem. eu considerei ali em cima o seguinte: a busca pela felicidade é característica apenas daquele pra quem a felicidade está colocada como possibilidade, como algo alcançável. há uma imensidão de pessoas, vida real, que não tem a felicidade como meta palpável. e a Vanessa argumentou: Acredito que todo o ser humano deseja a felicidade e ser amado. Penso que a felicidade é diferente para cada um, para alguns pode ser um prato de comida ou quem sabe….  poder enterrar seus mortos. e ainda o Wallace diz: […] Ele (o Egocentrismo) faz parte de nossa configuração padrão, vem impresso em nossos circuitos ao nascermos. [alerta: rsrs o texto daqui pra frente pode parecer abstrato e academicista, mas peço que atente para o quão vivo é assunto e o apelo que tudo isso tem na nossa própria realidade] dizer que todo ser humano busca felicidade é, primeiro, considerar que há coisas que todo ser humano, cerca de sete bilhões de seres vivos, fazem exatamente igual ou, como diz Wallace, compartilham uma configuração padrão; e, segundo, que nessa configuração, impresso em algum lugar do circuito, está o “código” que nos impele à busca da felicidade. por esse caminho, deve-se também considerar que os atos práticos, cotidianos dos sete bilhões de seres humanos que vivem no mundo devem todos se dar na busca pela felicidade… e como pode que não sejamos então, e nisso concordamos, que não sejamos felizes? aí tem uma coisa: felicidade é diferente para cada um; mas e se a felicidade de um for a tristeza de outro, e mais, se a felicidade de um for a própria tristeza? é possível? tem que ser pra que se possa considerar a busca pela felicidade como parte de uma natureza humana, caso contrário, haveria seres humanos, bilhões deles, que violentam a própria natureza, ou seja, que não compartilham do que se chama natural. esses são os loucos, os psicopatas, sociopatas, esses são os sujeitos que devem ser mantidos à margem da sociedade pra que a planificadora ideia da busca pela felicidade se mantenha aceitável. a “realidade social, vestida e opressora, cadastrada por Freud” se alimenta na desconsideração da variação. pois eu não vejo a possibilidade de uma natureza humana. vejo sim que a arisca existência humana não aceita a coleira de algo estático como uma “natureza”. nas palavras de Sartre: “a existência precede a essência”. seres humanos não tem natureza, mas possibilidades que surgem no contexto de sua existência. bem entendido, o que digo é que as condições concretas da vida de uma pessoa determinam a forma como ela será na vida, a forma como se relacionará com o mundo e com os outros seres no mundo. assim, da forma como eu entendo as coisas, se vamos debater, por exemplo, a liberdade, devemos compreender essa liberdade não como um bem individual que se pode atingir a partir duma mudança pessoal na forma de encarar o mundo, ao menos não só como tal. a liberdade depende também e, penso, preponderantemente de condições concretas, ou seja, de um contexto de vida em que a liberdade possa ser expressada. e não falo apenas do engarrafamento, da fila no super, falo de algo anterior a isso, falo da própria espinha dorsal da sociedade em que vivemos. e de tudo, mais.

marquises

fumava sob a marquise dum prédio em construção, singela indulgência em noite tão árida. ia em direção ao trem, entraria no prédio da direita ou talvez atravessasse a praça e esperasse na parada um ônibus; o importante não é isso, mas o fato de que quando, de repente, quando fumava, olhando ao longe enquanto tragava, peguei-me a esperar por ti. não sei exatamente em que momento foi, nem sei como aconteceu, esperava por ti. não numa espera consciente – se alguma consciência havia, era a de que não viria -. não comecei a pensar em ti, nem a lembrar dos tempos que tivemos juntos, não. simplesmente percebi que te esperava, como algo que já estava ali, vindo do nada e num rompante te ataca. como o coiote que, na TV, só começava a cair depois de percebido o passo dado no vazio, de repente te esperava eu. sem saber te esperava, sem drama, sem saudade, sem nada. nem sei porque, mas te esperava. mas sem a vontade de que chegasse, como se fosse apenas a casca da espera; era como quando se veste um terno e, sem porquê, se sai dançando uma valsa; não me perguntava “será que ela vem”, nem cuidava que horas eram. percebe? te esperava sem esperar e sabendo não te esperar. e chovia. chovia como se o mundo inteiro fosse se encher d’água duma vez só; era dessas chuvas de final de inverno, quando o moribundo tem seu último suspiro. chovia. e pessoas apressadas passavam, seus guarda-chuvas desfigurados nas mãos e sapatos molhados nos pés molhados. a luz dos postes dando nas gotas de chuva tingia a noite de um branco leitoso e os carros passavam lentos na minha frente. ninguém me olhava. e eu te esperando como quem não espera. Foi um lapso, não pense que durou muito tempo, foi apenas um lapso – mas uma sensação tão viva que quase muda o mundo -. de repente eu te esperava, sob uma marquise, fumando cigarros; a tela azul de construção tremulando qual um véu, as sarjetas feitas em rio. te esperava – um lapso -, e o curioso é seguir te esperando mesmo depois de tanto tempo, tantos anos; te esperando, em noites de chuva, fumando cigarros sob as marquises dos prédios – e tu não vem -.